A relação entre os recursos hídricos e o aquecimento Global





O ciclo hidrológico é o ciclo da água na natureza. Este ciclo é um ciclo fechado globalmente, mas não localmente. Basicamente em seu ciclo a água percorre todos os sistemas terrestres, a litosfera (o solo), a atmosfera e a biosfera (a água dentro dos animais e plantas perdida através da evapotranspiração). Assim, podemos dizer que todos os sistemas terrestres dependem da hidrosfera, para manter os seus processos e dinâmicas naturais.

“Recursos hídricos” é um termo usado para se referir à água como um recurso natural disponível ao uso para as atividades humanas. Da própria concepção de um recurso natural, temos que os recursos hídricos são um bem de uso comum, ao qual todos têm o direito de livre acesso. Não só a vida humana, como toda a biosfera depende da água, ela é fundamental para a manutenção dos processos fisiológicos que permitem a vida.

Para o homem, o uso mais nobre dos recursos hídricos é para o abastecimento público e a dessedentação de animais, no entanto a água também é usada para irrigação, em processos industriais, em limpeza e higienização de ambientes, ou seja, os recursos hídricos possuem usos múltiplos. Assim, tem-se que os mesmos devem ser estudados em caráter multifuncional, pois atendem a diversas funções sociais e ambientais. O principal desafio da gestão dos recursos hídricos é conservá-los, para que no futuro haja água em qualidade e quantidade disponíveis para a população.

Neste contexto, torna-se importante discutir os efeitos do aquecimento global sobre os recursos hídricos: se a temperatura da superfície da Terra aumenta, mudam as dinâmicas de transferência de calor e energia do ciclo hidrológico, pois os estados físicos e as propriedades da água dependem da temperatura ambiente. Assim tem-se que a hidrosfera será afetada e consequentemente todos os outros sistemas também, principalmente a biosfera, pois em geral os organismos vivos são adaptados a temperaturas específicas e resistentes somente a pequenas variações das mesmas.

Em termos gerais, o aquecimento global pode afetar a disponibilidade hídrica no futuro, e mudar o modo de distribuição da água na Terra. Muitas áreas serão desertificadas, enquanto outras terão problemas com chuvas intensas. Cada grau centígrado de aumento da temperatura terrestre irá trazer impactos diferentes, e estes são cumulativos, segundo o 2º relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) se o aumento chegar a 4º C estima-se que até 3,2 bilhões de pessoas poderão sofrer com a falta d’água e que a subida do nível do mar irá ameaçar a existência de cidades costeiras em todo o mundo.  As previsões de aquecimento para o fim deste século estimam entre 1,8º C e 4º C a mais na média da temperatura mundial.

Como o homem depende dos recursos hídricos para sobreviver, alterações imprevisíveis e incontroláveis na disponibilidade deste recurso como as que podem advir do aquecimento global trarão impactos não só para o abastecimento humano como também para as atividades econômicas, por exemplo, na agricultura, pode ocorrer perda de safras devido à falta ou excesso de chuvas, a produção de energia elétrica através de hidrelétricas pode ser prejudicada devido a diminuição da vazão dos rios e etc.

O interessante do aquecimento global é que neste processo ocorre feedback positivo, ou seja, conforme os efeitos aparecem, eles potencializam o processo, intensificando ainda mais a ocorrência dos próprios efeitos. Por exemplo, estima-se que se o cenário de aumento de 4º C na temperatura terrestre se concretizar, 40% da biosfera vai se tornar uma fonte de carbono, ou seja, vai entrar em decomposição, liberando mais gases estufa e agravando ainda mais o aquecimento global. Outro exemplo é o fato de que o derretimento das geleiras aumenta a absorção de calor pela superfície terrestre, já que o gelo era um material altamente reflectante da luz do sol, aumentando a absorção de calor aumenta a quantidade de radiação infravermelha térmica irradiada pelo planeta, que contribui novamente para aumentar a intensidade do aquecimento global.

A tarefa da ciência agora é estudar as variáveis existentes para entender melhor a variabilidade climática atual dentro do cenário de mudanças climáticas globais, assim como os possíveis impactos desta mudança sobre cada país e o mundo. A máxima é que a longo e em curto prazo é preciso mudar a relação do homem moderno com a natureza, com os recursos naturais. A humanidade precisa trabalhar em conjunto para reverter essa situação. O desenvolvimento sustentável não significa abrir mão dos prazeres e confortos da vida moderna, mas sim torná-los ambientalmente compatíveis.

Autora: Luiza Spengler Coelho
Engenheira Ambiental
Mestranda em Tecnologias Ambientais pela UFMS



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>