Bonito: De cara com a natureza

Revista Próxima Viagem 
Águas translúcidas, vida preservada e sossego

Bonito não é só para os radicais, pelo contrário: a flutuação dos seus rios é a aventura mais relaxante que você pode ter.

Mais do que Bonito, o nome dessa cidade às portas do Pantanal Sul-mato-grossense, a pouco mais de 300 quilômetros de Campo Grande, já foi Paz de Bonito. Faz sentido. Estrela do ecoturismo brasileiro, com estrutura e planejamento exemplares, Bonito tem tranqüilidade e beleza de sobra. Poucas sensações se comparam à leveza de flutuar nos rios de água cristalina de Bonito, com visibilidade que parece infinita, junto com cardumes coloridos. É essa, justamente, a atividade mais famosa da cidade. Quem nunca esteve em Bonito imagina: mas flutuar não é algo que pode ser feito em outras águas doces também? Até pode, mas a constituição dos rios da região é o que faz a diferença. Com muito calcário, as águas são naturalmente limpas, o que permite uma visibilidade subaquática de até 30 metros. As correntezas mais fracas fazem com que você, usando máscara, snorkel, roupa de neoprene, colete e papete, veja o fundo dos rios passivamente, praticamente imóvel. Um espectador privilegiado da natureza. Dourados, pintados, piraputangas, curimbatás, piaus, matogrossinhos, caranguejos e outros bichos e plantas de rio ficam a seu alcance.

Depois de um dia de flutuação, sentindo-se leve, esbalde- se com a culinária local. Peixes, jacarés e javonteses (mistura de javali com porco montês) são servidos em aperitivos e em pratos mais substanciosos. Eles podem ser acompanhados da cachaça local, a Taboa – que é um clássico de Bonito e tem até um bar ligado a ela. Para os que curtem a noite, a pedida, em plena madrugada, é provar um dos sabores da terra servido no Palácio dos Sorvetes. Só fecha depois das 4 da manhã na temporada.

Se você não ficou tomando sorvete até altas horas, acorde bem cedo para mais um dia de aventuras – devidamente agendadas, pois só assim se passeia em Bonito. Há diferentes modalidades de mergulho em Bonito, inclusive o discover dive, um batismo de mergulho que pode ser feito até por crianças. Ainda na água, mas acima da superfície, Bonito tem também uma série de cachoeiras – no caminho para a Boca do Onça, queda com 136 metros, há nada menos que 11 delas! -, piscinas naturais, praias de rio e aventuras boas para se fazer em grupo, como a descida de bote pelo Rio Formoso.

Além da vida nos rios, há verde suficiente nas matas para fazer arvorismo ou caminhadas, nas quais se vêem muitos pássaros, macacos e árvores centenárias como grandes ipês. Apesar de estar rodeada pela pecuária, a cidade de Bonito e suas vizinhas próximas ficam numa das últimas áreas de mata nativa preservada da região, a Serra da Bodoquena. Daí a profusão de beleza, na água e fora dela.

Um programa “a seco”, porém, frustra muitas expectativas. A Gruta do Lago Azul, a atração mais fotografada da cidade, é acessível depois de uma suada caminhada, com direito a uma escada íngreme. Mas que só pode ser vista de certa distância. Obviamente, o espetáculo provocado pela reflexo dos raios de sol nas águas, um caleidoscópio de muitas tonalidades de azul, é de cair o queixo. Tanto que dá vontade de mergulhar e se fundir nessas águas, depois de tanto esforço. Não pode. Bonito é assim: o turismo é controlado nos detalhes, do número de visitantes aos minutos em cada atração. Só assim sua natureza tem permanecido em paz.


OS 10 MAIS DE BONITO

Difícil escolher entre os quarenta passeios oferecidos em Bonito? Veja nossas sugestões:

1 Flutuação no Rio Sucuri
2 Flutuação no Aquário Natural
3 Visita ao Lago Azul
4 Flutuação no Rio da Prata
5 Mergulho no Rio Formoso
6 Rapel e mergulho no Abismo Anhumas
7 Visita à Caverna de São Miguel (foto)
8 Passeio até a Boca da Onça
9 Caminhada do Rio do Peixe
10 Descida de bote pelo Rio Formoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>