Dossiê do Geopark Bodoquena-Pantanal é entregue ao governador de MS

O governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli, recebeu ontem (26) em seu gabinete, representantes do Conselho Gestor do Geopark Bodoquena Pantanal para a entrega do Dossiê do Geopark Bodoquena Pantanal, documento que será enviado para a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), para obtenção da chancela oficial da região.

Para atender às solicitações da Unesco, o Dossiê conta com informações sobre a biodiversidade (patrimônio natural e paisagem) e a diversidade cultural (patrimônio imaterial, etnográfico, arqueológico, histórico, arquitetônico e paisagem cultural). Os dados foram obtidos após a realização de diversas audiências públicas, seminários e viagens de estudo à região da Serra da Bodoquena e Corumbá. Todo o trabalho foi coordenado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MS), com envolvimento do governo do Estado, por meio das Fundações de Turismo, Cultura e o Imasul, Comando Militar do Oeste (CMO) e as prefeituras dos 13 municípios.

Anexos ao Dossiê, estão o decreto de criação do Geopark Bodoquena Pantanal, assinado pelo governador André Puccinelli em dezembro de 2009; as cartas dos seminários realizados; o Plano de Desenvolvimento Territorial do geoparque entre outros documentos relevantes para a obtenção do selo.

Geopark

O Geopark Bodoquena-Pantanal envolve 20 mil quilômetros quadrados da região sudoeste do Estado, onde estão situadas diversas riquezas geológicas, históricas e culturais nos territórios de Anastácio, Aquidauana, Bela Vista, Bodoquena, Bonito, Caracol, Corumbá, Guia Lopes da Laguna, Jardim, Ladário, Miranda, Nioaque e Porto Murtinho. No total, estão inseridos nesta área 60 geossítios, entre grutas, pedreiras, baías, minas, cachoeiras, nascentes e monumentos.

Possui diversos aspectos característicos de um geoparque nos moldes da Unesco, como a presença de fósseis de preguiças-gigante, tigres-dente-de-sabre e mastodontes. O local também abriga diversos sítios arqueológicos e históricos relevantes que contam a história da mineração em Corumbá e a Retirada da Laguna e também um rico patrimônio cultural traduzido pelo modo de vida pantaneiro, pelas artes gráficas e cerâmicas terena e kadiwéu, entre outros.

A elevação à categoria de Geopark é uma ferramenta de preservação para áreas dotadas de importantes testemunhos geológicos e paleontológicos da evolução da Terra, e também objetiva fomentar a educação, inclusão social, divulgação científica e o turismo. Além da visibilidade internacional proporcionada pela chancela oficial da Unesco, a implementação do selo “Unesco Geopark” favorece a possibilidade de financiamentos internacionais para realizar ações de infraestrutura na região.

Com informações Notícias MS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>