Índios x natureza x política

Um tempo atrás, na época que eu era escoteiro achava maneiro cortar árvores para fazer acampamentos, matar bicho para mostrar que atirava bem, fazer fogo no mato e agredir a natureza em prol do homem. Quem não pecou contra a natureza nunca?

Nesta época fumar era chique também. Agora é um absurdo – o fumante agora passou de chique a mal educado, de mocinho a bandido e ele mesmo já tem informações suficientes que demonstram que fumar é desrespeito com ele e todos os outros que fumam por tabela.

O mesmo era com os índios, víamos os índios como seres da mata que interagiam harmonicamente com á natureza – hoje- infelizmente os índios são vistos como gente protegida por um governo que já pecou tanto e, agora quer se redimir pecando novamente sem lhe dar igualdade e tampouco cultura.

Índios do Mato Grosso do Sul e, de quase todo pais, viraram massa política com preço certo de voto e manipulação fácil e barata, isso o desrespeita como índio e muito mais como cidadão que é.

Agora uma massa podre e nostálgica no governo federal quer dar terra produtiva e de propriedade de trabalhadores aos índios, isso cheira a revolução que começa na escrita e termina na luta armada.

Quem estará por traz disso?

Missionários estrangeiros ou gente de manipulação fácil do tipo que veste a camisa para uma causa e não sabe o que faz – gente cega.

Pobre dos índios que seguem esta gente – hoje a terra que tem arrendam para fazendeiros e pensam em dar mais terra para atravessadores enganar-los depois.

O cacique fica com uma fatia maior, carro usado, bicicleta nova. A massa política que vota em desapropriação fica com o gado nos pastos de famílias que deram suor e lágrimas para construir sua saga trabalhando em harmonia com a terra e cultivando-a.

Os índios continuarão com as misérias providas pelos políticos como caminhões de cesta básica e educação inferior.

Em vez de dar terra porque não dar educação? Porque não dar respeito? E fazer destas aldeias um núcleo de cultura e não de massa política. Quem duvida do que escrevo é porque nunca visitou uma aldeia do MS – onde há menos infra-estrutura que em uma favela.

Dar terra para matar araras e fazer colares ou mesmo para o cacique arrendar será mesmo o melhor para os índios?

Perdem os índios com estas ações ridículas, perdem os donos da terra que a cultivam há gerações e perde a natureza. Quem ganha é o governo cedendo à pressão internacional como maricas a quem exterminou sua nação de apaches e outras raças em todo o mundo.

Se o governo ceder sou o primeiro a defender a terra destes lutadores e cultivadores de nossa economia. Estão incitando luta armada – uma volta no túnel do tempo – querem que índios retornem as origens e que os brancos (se é que existem, pois, as raças se mesclaram) peguem suas armas e mirem em carros de missionários e de órgãos governamentais que tentam roubar terras para medir o quanto o patrão deste movimento irracional ganhará com isso.

Cuidado, pois, se seguirmos ao pé da risca a idéia destes poucos que se acham espertos devemos começar a desapropriar São Paulo ou Brasília onde era terra indígena e tem inúmeros bairros com o nome dos índios ainda.

Vejam abaixo os bairros ( indígenas) de São Paulo e comecem por lá a desapropriação:

Ibirapuera = Pau podre ou arvore apodrecida. Fica na zona oeste da capital.

Tucuruvi = Gafanhoto verde. Fica na zona norte da capital.

Boaçava = O lugar por onde passa. Fica na zona oeste da capital.

Catumbi = A folha azul.

Butantã = Terra firme ou terra dura. Fica na zona oeste da capital.

Alex Furtado escritor e empresário do turismo proprietário da Agência Ar – Operadora Turística especializada em Bonito e Pantanal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>