Oportunidades Pós Crise

Passamos por uma crise financeira mundial que assustou empresas e profissionais e pelas consequentes medidas de cautela adotadas pelos empresários, mudando a dinâmica de muitos negócios e das relações de trabalho. Como consequência, estabilidade, certeza e “jogo fácil” saíram do vocabulário no mercado de trabalho. Emergiu um cenário cheio de dúvidas, medos e incertezas. No entanto, diferente do que as previsões (e os medos) alarmavam, um cenário pós crise começou a se desenhar de forma favorável para o Brasil.

Como um furacão que passou, e como os gurus dos negócios sempre pregam sobre o tema “crise”, dessa vez ficou muito evidente o que esse “susto” fez no mercado, e como deixou o cenário para aqueles que estão dispostos a entender as mudanças e aproveitá-las. De qualquer forma, como na maioria das oportunidades, esse momento também demanda algumas atitudes mais adequadas para quem aproveitar o potencial do cenário que está se formando.

Não pretendo aqui explanar todas as atitudes, afinal muitas delas dependem da realidade de cada profissional e de cada empresa, mas citarei algumas que certamente farão a diferença:

A primeira delas é a consciência do momento. É hora de abrir a cabeça, de reanalisar o cenário e o contexto. Se você olhar em volta e não enxergar as mudanças, mude sua perspectiva. Quem pensar com a mesma cabeça de 6 ou 12 meses atrás corre o risco de não identificar as ótimas oportunidades que estão surgindo.         

As formações e as experiências profissionais que lhe trouxeram até aqui não serão tão importantes quanto sua visão de futuro e sua consciência em relação às principais demandas da humanidade. O mundo está pensando diferente, uma das heranças dessa crise é o questionamento dos valores. Qual é a responsabilidade dos profissionais e empresas em relação à sustentabilidade do nosso planeta? Quais efeitos são gerados pela sua atuação no mercado? Você deixa o mundo melhor ou ajuda a levá-lo para a mesma direção para o qual vem caminhando nas últimas décadas?

A velocidade da informação aumentou, a crescente integração da comunicação está gerando por parte de muitos profissionais uma resposta sacrificada em termos de gestão do tempo e da qualidade de vida. Ainda não é comum vermos as pessoas aproveitando de fato a tecnologia a seu favor, pelo contrário, muitas pessoas estão mergulhando num mundo de informações sem uma estratégia definida. Quando a oportunidade surge, se você não tiver uma estratégia de atuação, pode trocar seu valioso tempo de avaliar cenários, montar planos de ação e agir por ficar cuidando da sua caixa de entrada de emails que lota a cada dia.

Trabalhar bem em equipe e desenvolver a qualidade nas relações interpessoais sempre foram importantes, mas agora, são imprescindíveis. A demanda corporativa é por equipes de alta performance e não há espaço nessas equipes para pessoas em crise de ego, com dificuldades de trabalhar bem em equipe ou de cultivar relações saudáveis.     

É hora de se desenvolver como profissional e como pessoa, é hora de aproveitar para mandar sua mensagem para o mundo, e a melhor forma de fazer isso é ser o que você acredita. Vejo muitas pessoas apontando o dedo, e poucas fazendo. Ainda estamos  num estágio letárgico de mudança de hábitos, ainda dependemos de incentivo ao consumo de bens materiais para equilibrarmos nossa economia. O futuro não poderá ser assim. Porque se for estaremos fritos, literalmente. Como atuar nesse novo paradigma econômico que está se formando? A resposta a essa pergunta fará muita diferença entre sucesso e o fracasso num futuro próximo. Se você tem uma boa resposta, eu lhe desejo muito sucesso e torço por você!!!    

Por Daniel Spinelli – Consultor de Desenvolvimento Humano

www.pstreinamentoempresarial.com.br

Daniel@pstreinamentoempresarial.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>