Formações florestais da RPPN Rio da Prata

O Recanto Ecológico Rio da Prata está inserido no Bioma Cerrado que ocupa 1/5 do território brasileiro e contribui com aproximadamente 10.000 espécies de plantas das 60.000 fanerógamas distribuídas pelo País. Fanerógamas – é o termo que designa qualquer planta possuidora de órgãos sexuais aparentes. São plantas superiores, isto é completa, pois além da raiz, do caule e das folhas, produz as flores que contém os órgãos da reprodução. É o grande grupo do Reino vegetal que compreende todas as plantas produtoras de flores. Esse Bioma apresenta diferentes formações florestais que exercem importante função na manutenção da biodiversidade por produzirem frutos, pólen e néctar consumidos pela fauna silvestre, além de oferecem abrigo e proteção.

O clima existente na região é o quente e semi-úmido do cerrado, com distribuição anual das precipitações definindo duas estações bem nítidas: uma seca no inverno-primavera e outra chuvosa, no verão-outono, apresenta índices pluviométricos anuais variando em geral, de 1.500 a 2.000 mm. O trimestre junho-agosto apresenta as temperaturas mais baixas com médias de 15°C a 20°C. As temperaturas mais elevadas ocorrem nos meses de setembro e outubro, que precedem a estação chuvosa, oscilando entre 25°C e 30°C (CPTEC, 2004).

Com o propósito de preservar e conservar de forma integrada os diferentes ecossistemas existentes no Sítio Turístico, os proprietários criaram a Reserva Particular do Patrimônio Natural – RPPN Fazenda Cabeceira do Prata, Unidade de Conservação de domínio privado reconhecida pelo poder público. Esta reserva visa garantir a proteção de espécies da flora, da fauna e dos demais recursos naturais existentes no local. Outra importante função dessas Unidades de Conservação é a formação de corredores ecológicos que interligam fragmentos florestais e contribuem efetivamente com a sustentabilidade e manutenção da biodiversidade da vida silvestre em seus diferentes habitats.

Autor: Fabrício de Souza Maria e Vivian Ribeiro Baptista Maria vivibap@ig.com.br

Bonito promove Festival da Guavira no dia 23

O município de Bonito, a 249 quilômetros de Campo Grande, realiza entre os dias 24 e 25 de novembro a sexta edição do Festival da Guavira.

O evento deste ano traz como novidade um festival municipal de música para eleger os cinco melhores artistas, ou grupos musicais, além da Primeira Conferência Municipal de Cultura de Bonito.

O evento terá diversas atrações, como apresentações musicais, teatro, danças, literatura e culinária regional, com a participação de grupos indígenas, quilombola, escolas e projetos sociais.

Fonte: Mídiamax News

Marcos Palmeira fará palestra sobre agricultura orgânica

Fonte: Campograndenews
O ator e produtor rural Marcos Palmeira realiza no próximo dia 21, em Campo Grande, a palestra “Vale das Palmeiras – um exemplo de projeto agroecológico”. A palestra integra a programação da Feira de Negócios Rurais de Mato Grosso do Sul, promovida pelo Sebrae/MS entre os dias 22 e 23, no Pavilhão Albano Franco.

Desde 1997, o ator é proprietário de uma fazenda em Teresópolis, região serrana do Rio de Janeiro, onde toda a produção é orgânica, sem uso de agrotóxicos. Atualmente, a fazenda comercializa mais de 30 produtos para supermercados fluminenses. O engenheiro agrônomo Aly Ndiaye, sócio na Vale das Palmeiras, explica que o mercado para produtos orgânicos é bom. “O mercado tem crescido cerca de 20% ao ano, as pessoas buscam o consumo de produtos saudáveis”.

Em Mato Grosso do Sul, a produção de orgânicos já começa a ganhar espaço entre os empreendedores rurais, mas o reconhecimento das vantagens do produto sem aditivos químicos ainda é pequeno. “O objetivo principal da palestra é aumentar o consumo, produção já tem bastante, mas as pessoas ainda não reconhecem o valor do orgânico”, explica o consultor do Sebrae, Aroldo de Almeida Silva.

A palestra com Marcos Palmeiras será às 9h. As inscrições para a palestra são gratuitas, contudo, é preciso confirmar a presença com a Central de Atendimento pelo telefone 0800 703 5511.
 

Fundação Ecotrópica recebe prêmio

Fonte:REPAMS 

A World Association of Non-Governmental Organizations (WANGO), depois de analizar as atividades conservacionistas das ONGs de todo o mundo, conferiu o Prêmio Ambiental 2007 à Ecotrópica – Fundação de Apoio à Vida nos Trópicos, em função do seu esforço investido nas atividades de conservação da biodiversidade “in situ”  na  área do Sitio do Patrimônio Natural Mundial  do Pantanal.

O Prêmio será entregue à Ecotrópica em cerimônia a ser realizada no dia 09 de novembro de 2007, no Delta Chelsea Hotel em Toronto, no Canadá, por ocasião do Congresso Mundial de ONGs. A Ecotropica é uma instituição ambientalista, sem fins lucrativos, que foi criada em Cuiabá há mais de 20 anos, e ao longo destes anos se dedica com a conservação dessa região.

A Wango tem mais de 70 mil membros em 140 paises. A REPAMS em nome de sua diretoria e corpo técnico parabeniza a instituição pelo recebimento do prêmio. Sentimo-nos orgulhosos pelo fato da instituição ser nossa parceira e trabalhar em prol da conservação de terras privadas em MS, possuindo duas RPPNs em nosso Estado: Acurizal – Corumbá/MS; Penha – Corumbá/MS.
 

RPPN de MS recebe prêmio do Guia 4 Rodas 2008

Fonte: REPAMS

O Recanto Ecológico Rio da Prata, localizado em Jardim/MS, recebe prêmio nacional de turismo

Campo Grande – MS, 10 de outubro de 2007 – O Recanto Ecológico Rio da Prata, localizado em Jardim, Mato Grosso do Sul, recebeu na última segunda-feira, 08 de outubro de 2007, no Citibank Hall, em São Paulo o primeiro lugar como a “Melhor Atração do Guia Brasil 2008”. O concurso foi promovido pelo Guia Quatro Rodas, da Editora Abril, que durante dois meses realizou uma enquete pelo site Viajeaqui onde listou os melhores hotéis, restaurantes, atrações e curiosidades do ano.

O Rio da Prata está localizado no entorno do Pantanal e preserva um dos grandes mananciais de belezas cênicas no Brasil: o rio da Prata. Com objetivo de proteger este importante afluente foi criada em abril de 1999, a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Cabeceira do Prata onde são desenvolvidas as atividades de ecoturismo, pesquisa cientifica e conservação. As trilhas levam os turistas para o passeio da flutuação, o principal atrativo da RPPN. Durante as caminhadas pela trilha, são observados bandos de queixadas, macacos pregos e pássaros. A vegetação é típica do Cerrado, mesclando espécies de flora da Mata Atlântica (bromélias e orquídeas), ipês e aroeiras, entre outras.

A decisão de proteger os recursos naturais e paisagem parte da vontade do proprietário que por meio da dedicação, empenho e convicção trabalha na tentativa de ajudar a garantir a qualidade de vida desta e das futuras gerações. Eduardo Folley Coelho, proprietário da reserva, afirma: “Conservar os recursos naturais vale a pena. Todos nós estamos muito felizes com a premiação, pois demonstra que a sociedade reconhece o trabalho que realizamos em prol dos recursos naturais”.

A RPPN Cabeceira do Prata participa como sócia da Associação de Proprietários de RPPN do MS (REPAMS). No ano de 2005, por meio do Projeto Programa de Incentivo às RPPNs do Pantanal, uma parceira REPAMS e CI-Brasil, a reserva foi contemplada com recursos para realização do seu primeiro Plano de Manejo, estudo que consiste em levantamento de fauna, flora, uso turístico da área, entre outros com objetivo de auxiliar o proprietário nas tomadas de decisões sobre o uso dos recursos naturais da reserva.

O estudo foi concluído em dezembro de 2006. Para obter informações sobre o Plano de Manejo e também sobre o Recanto Ecológico Rio da Prata acesse o site http://www.bonitoweb.com.br. Informação sobre o concurso realizado pela revista Quatro rodas acesse http://viajeaqui.abril.com.br/premioguia4rodas/atracoes/leitor.shtml