Recanto Ecológico Rio da Prata é modelo de sustentabilidade

Mato Grosso do Sul é um Estado de origem pecuária, berço de 65% de uma das maiores planícies de sedimentação do mundo, o Pantanal. O Estado abriga em 78 municípios sete regiões turísticas recheadas de natureza, culinária típica, costumes e tradições.


A Costa Leste, Rota Norte, Nova Andradina e Região, Caminhos da Fronteira, Campo Grande, Bonito – Serra da Bodoquena e Pantanal atraem milhares de turistas do Brasil e do mundo todos os anos. E é neste contexto que as grandes fazendas criadoras de gado do Pantanal e região enxergaram, em meados da década de 80, o turismo rural como um próspero negócio.


Turismo Rural – Ecoturismo


Com a definição da Embratur, por turismo rural ou ecoturismo entende-se que é um segmento da atividade turística que utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista, através da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações envolvidas. 

 

Foi aplicando estes princípios que a fazenda Cabeceira do Prata, mais conhecida pelo nome fantasia de Recanto Ecológico Rio da Prata, ganhou destaque no turismo do Estado.


Rio da Prata


Localizada na cidade de Jardim, na Serra da Bodoquena, a fazenda começou suas atividades turísticas em 1995, com a criação de uma reserva particular de patrimônio natural (RPPN), onde são desenvolvidos passeios de mergulho, flutuação e trilha interpretativa. A região se destaca como um dos principais pólos ecoturísticos brasileiros, devido às belezas naturais de rios, cachoeiras, grutas, matas, fauna e flora. Além disso, o sistema de organização das atividades turísticas é considerado modelo no País.

De acordo com o proprietário da Cabeceira do Prata, Eduardo Coelho, o objetivo primordial da fazenda é fazer turismo respeitando o meio ambiente, em detrimento de atividades massificadas e “predatórias”, de modo que estes atrativos naturais e culturais estejam disponíveis indefinidamente, possibilitando também uma oferta constante e duradoura de empregos na região e promovendo a educaçaõ ambiental.


Princípios do turismo sustentável

 

O empresário e agropecuarista diz que o Rio da Prata se baseia nos sete princípios do turismo sustentável definidos pelo Conselho Brasileiro de Turismo Sustentável, que são: respeito à legislação vigente; direitos das populações locais; considerar o patrimônio e o valor das culturas locais; desenvolvimento social e econômico dos destinos turísticos; conservação do ambiente natural; sustentabilidade da atividade; planejamento e gestão responsável.


Exemplos práticos da sustentabilidade


A engenheira ambiental Luiza Spengler implantou na fazenda, momedidas como: monitoramento do impacto ambiental das atividades turísticas; produção própria de parte dos alimentos oferecidos aos visitantes, como doces artesanais, queijos, verduras 100% orgânicas, pães, leite e ovos; viveiro de mudas de árvores nativas; proibição de caça e pesca, corte de madeira e criação de animais domésticos e silvestres em toda a fazenda.


Para mais informações sobre o Recanto Ecológico Rio da Prata e outras fazendas que realizam o ecoturismo, acesse os sites Bonitoweb e  PantanalEcoturismo.

 

Postada por Bárbara Ferragini
Colaboradoras Bianca Celloto e Fernanda Ellen

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>