Técnicos discutem APP com proprietários em Bonito

Técnicos do Projeto GEF Rio Formoso iniciaram nesta segunda-feira (9/6) conversas com os proprietários rurais que se dispõe a participar do projeto. A pauta das reuniões é a recuperação ou, em alguns casos, a implantação de APP (Área de preservação Permanente) em suas propriedades, localizadas em duas áreas da bacia hidrográfica do rio Formoso.

A intervenção será realizada em áreas de APPs e Reservas Legais. “Vamos discutir e orientar os produtores interessados na proposta a fim de mostrar a eles formas e técnicas de recuperação que permitam melhorar a condição ambiental existente”, explicou o engenheiro agrônomo e Pesquisador da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural de MS) e colaborador do projeto Sandro Cardoso.

O objetivo é iniciar esta recuperação em fragmentos dos cursos dágua, para que os produtores continuem o trabalho após o término do projeto. “Queremos que eles continuem as ações que iremos aplicar e ao mesmo tempo sejam difusores destas a outros proprietários”, disse o coordenador local do projeto e engenheiro agrônomo da Agraer, Airton Garcez.

Será feito o plantio de mudas de árvores nativas produzidas no viveiro municipal com o apoio do projeto GEF Rio Formoso e também com o plantio direto de sementes coletadas pelo projeto com o apoio do Iasb (Instituto das Águas da Serra da Bodoquena). A perspectiva é que sejam plantadas mais de 10 mil mudas nas áreas a serem recuperadas ou implantadas.

A recuperação das APPs propiciará um restabelecimento da fauna e flora, melhorando a qualidade do solo e da água. O projeto também irá orientar os agricultores sobre a legislação vigente, buscando adequar as possíveis situações irregulares.

O projeto também promoverá, além da recuperação de APPs, em outras áreas degradadas da micro bacia, ações de manejo de solo para a melhoria de pastagens, implantação de sistemas silvipastoris, conservação e adequação de estradas, visando sempre aliar o aumento da produção dos proprietários com a conservação da biodiversidade local.

Estão envolvidos diretamente nesta ação, os escritórios da Agraer de Bonito, Ponta Porã e a Agraer/Cepaer, a Prefeitura de Bonito(por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente), o escritório do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis), o Imasul (Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) e o Iasb (Instituto das Águas da Serra da Bodoquena).

GEF Rio Formoso – O projeto financiado pelo Banco Mundial é coordenado pela Embrapa Solos e conta com a participação das unidades Gado de Corte (Campo Grande-MS, coordenadora regional), Agropecuária Oeste (Dourados- MS) e Pantanal (Corumbá-MS).

Também estão envolvidos a Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), Secretaria de Estado de Meio Ambiente das Cidades, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia (Semac), Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), Conservação Internacional (CI Brasil) e Fundação Cândido Rondon (gestora financeira).

O Projeto possui ainda outros colaboradores e co-executores importantes como a Prefeitura Municipal de Bonito, através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, o IASB (Instituto das Águas da Serra da Bodoquena) e apoio técnico e institucional do Ibama.

Fonte: IASB

 
 




 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>